O mercado de quadrinhos no Brasil ainda não é notório como os de países europeus ou nos Estados Unidos. Neste cenário, as HQs autorais brasileiras tem sofrido uma forte desvalorização e, consequentemente, os ilustradores sofrem com a falta de visibilidade.

Inicialmente, a indústria editorial brasileira imprimia quadrinhos estrangeiros para consolidar esse mercado. Porém, mesmo com o avanço da tecnologia e vários nomes da ilustração surgindo no mercado, as editoras, ao invés de patrocinarem as obras locais, optam por comercializarem HQs prontas de outros países.

Isso afeta diretamente os artistas brasileiros que devem competir com grandes nomes. Além disso, os custos de impressão dos poucos quadrinhos que vão para as bancas consomem uma verba muito alta, somados à dificuldade de distribuição. A consequência é clara: o lucro que os artistas recebem é muito pouco.

Buscando uma alternativa para essa desvalorização, Paulo Kruger e Maicris Fernandes criaram um aplicativo de leitura de quadrinhos conhecido como MOAH!. Ele pretende reunir as obras dos ilustradores brasileiros em um local só, com uma competição justa e distribuição ilimitada, podendo ser lida em uma tela de celular, visto que o aplicativo está disponível, atualmente, para todo o país. Buscando a valorização das obras nacionais, o aplicativo conta com mais de 20 artistas cadastrados e está chegando a 5000 downloads.

O aplicativo MOAH! tem no seu acervo quadrinhos dos autores Marcos Vaz (Curitibinha), Márcia d´Haese (Mig&Meg), da Gisele Henriques (Gato Coió), Tako X (Marco e Seus Amigos) e muitos outros. O app está disponível para Android e iOS gratuitamente. Para mais informações acesse o aplicativo no Google Play ou na AppStore.