Essa boliviana de coração brasileiro pisou na Califórnia pela primeira vez quando tinha apenas 9 anos. Após 4 anos estudando e morando com o pai, também boliviano (separado da mãe), ela voltou para seu país de origem para perto da mãe. Mas parecia que seu destino estava traçado e que tanto a Califórnia como o Brasil marcariam a sua vida. De volta a La Paz e com o inglês fluente, ela ajudou a mãe, que na época tinha uma loja de artesanato, a vender os produtos para os estrangeiros.

Alguns anos depois ela se mudou com a mãe para a Alemanha, mas aos 23 anos retornou para a Califórnia e não saiu mais daqui. Hoje conhecida como a “Patrícia do Brazilian Nites” e tendo reconhecimento nos EUA e no Brasil, como um nome forte no que se refere à produção de eventos brasileiros na Califórnia, ela se diz brasileira de coração. Mas sua história de relacionamento com a cultura brasileira começou particularmente no ano de 1984 e poucos meses após seu retorno a L.A.

Ela foi estudar Economia na UCLA e, durante essa época, enquanto andava pelo campus entre uma aula e outra, se deparou com um flyer que dizia “Learning Samba!”. O interesse foi instantâneo e sua relação com a cultura do Brasil começou ali. Durante as aulas, Patrícia conheceu Luci, instrutora de Samba, Lazaro, diretor do Embrassa Samba, e também Floriano Regis, que trabalhava no setor cultural do Consulado Geral de Los Angeles na época, e foi cofundador do programa “Brazilian Hour”.

Sua paixão pela dança tipicamente brasileira fluiu naturalmente assim também como sua dedicação em melhorar sua cadência e samba no pé! Floriano notou seu enorme interesse pela cultura do Brasil e Luci viu que a boliviana levava jeito e tinha o “swing verde e amarelo” no corpo. Patrícia logo começou a fazer parte daquele time e a dançar em diversos eventos.

O ano era 1989 e no Brasil acontecia a febre da Lambada. Foi justamente nessa época que Patrícia começava a dar seus primeiros passos como promotora de festas. Durante quatro anos, entre 1989 e 1993, ela promovia e agitava uma noite brasileira no conhecido, hoje extinto, Club Mônaco, no Valley. Durante esse auge da lambada, ela também fez parte de um filme sobre o tema e dançou no palco de uma das edições do Grammy.

Por coincidência, em 1990, conheceu seu, então, segundo marido, um brasileiro do Rio. Definitivamente, seu amor pela cultura brasileira e o Brasil estava consolidado. Em 1992, nascia oficialmente a empresa Brazilian Nites Production. Em 1994, ela deu início ao “Annual Brazilian Summer Festival”,  no Ford Amphitheater, em Hollywood, em associação com o Los Angeles Arts Commission.

Em 1997, Patty Leão deu um novo passo e passou a produzir shows de celebridades do Brasil, em Los Angeles. Veio o show do Caetano Veloso, no teatro Pantages, em Hollywood, e depois outros nomes consolidados no cenário da música brasileira como Olodum, Fundo de Quintal, Daniela Mercury. Em 2001 foi a vez de iniciar o “Los Angeles Annual Brazilian Carnaval”, na época, substituindo uma produtora portuguesa que desistiu de dar continuidade ao evento anual depois de alguns anos de sucesso em consequência da desilusão de perder uma filha em um trágico acidente aéreo. O Brazilian Nites atualmente é uma referência de Brazilian Events nos EUA.

Facebook Comments

Share This