Por Conceição Trucom

Não entenda rituais como rotina, mas sim como um propósito, um comprometimento, porém disciplinado. Porque eles não devem ser praticados como um dever monótono, mas como uma experiência de descobertas de si mesmo, da alegria e prazer do alívio, de novas percepções e sensibilidades.

Bem, cuidar da pele tem duas vias: a interna, na qual foca-se na alimentação desintoxicante com sucos e chás, e a dos pensamentos, através da meditação, que faz com nossos lixos internos sejam expurgados, transformados e curados. A segunda via é a externa, e é o propósito desse artigo: os rituais de cuidar da pele, práticas que defendem um novo estilo de vida, ou melhor, uma qualidade de vida.

Uma das melhores coisas que acontecem quando buscamos espiritualidade é que, na procura pela reconexão com nosso “Eu” interno, necessitamos, com energia e amor próprio, criar rituais diários. Seja qual for a disciplina, estes rituais são que nos ajudarão a encontrar o caminho para o nosso eu-interno.

A preguiça, um dos sete pecados capitais, é o antônimo da espiritualidade. Ela é a maior inimiga de nós mesmos, nossa maior sombra. Ao invés de simplesmente “cuidar dos afazeres” sem pensar ou prestar atenção, o ritual confere um senso de propósito e presença (estar presente) às nossas ações. Os rituais exaltam nossa consciência, sensibilidade e receptividade. Só estando presente é possível existir as conexões, que aqui são de limpeza e purificação.

Não importa a maneira como nos alimentamos, trabalhamos, meditamos ou até mesmo preparamos nossos alimentos. Todas estas ações podem ser vivenciadas como rituais, quando as elevamos do ordinário para o sagrado, dando à nossa vida um senso de finalidade: nosso corpo sendo verdadeiramente respeitado como um templo de nossa experiência de elevação e superação. Você não precisa praticar todos os rituais aqui propostos, mas selecione aqueles que você mais aprecia para vivenciar diariamente. Depois de um mês, pode ir alterando.

Escovar a pele

Escolha o melhor momento do dia, mas separe pelo menos 10 minutos de atenção ao seu corpo. Adote o ritual de escovar a pele, a seco, com uma escova de cerdas macias. Sua pele é um grande órgão de eliminação, merece atenção especial. Devemos fazer de tudo para mantermos o sangue circulando vigorosamente, nossos poros abertos e limpos e a pele viçosa. Isso significa limpar as células mortas da pele, bem como direcionar as toxinas para a sua superfície, ativando a produção de novas células saudáveis. A escovação por todo o corpo irá estimular a circulação, dando uma sensação de renovação, frescor e vitalidade. Uma sugestão: Mantenha esta escova ao lado da cama. É fantástico despertar o corpo pela manhã com essa massagem.

Banho Consciente

Qual o momento de maior intimidade que o ser humano tem consigo mesmo em estado consciente? Sem a menor dúvida, é a hora do banho. Pode e deve ser o momento de se tocar, se enxergar e se dimensionar.

Hoje, o sagrado momento do banho, simbologia tão profunda, encontra-se adormecido e quase esquecido pela grande maioria dos povos da cultura ocidental; e merece ser repensado. Não importa o tempo gasto no banho, mas a sua capacidade de transformar, mesmo o rápido banho de chuveiro, num ato consciente de entrar e estar em contato com você.

Que sejam dez minutos, mas qualitativos. Durante esse curto espaço de tempo você pode estar muito presente, refletir, limpar e harmonizar as suas energias e ter contato com o seu corpo. Utilize o banho como uma redescoberta integral do seu ser.

É hora de relaxar, deixar de lado sua atitude apressada e inquieta e ver o banho como ele é – um belo ritual de limpeza e purificação. A água morna (jamais quente) estimula os poros a se abrir em grandes “dutos” por onde as toxinas poderão sair. A escovação já retirou as células mortas, o banho morno irá abrir os poros e relaxar as tensões.

A água tem propriedades curativas: a hidroterapia. Você pode praticar esta terapia sob uma ducha, mas se tiver uma banheira e tempo, será melhor ainda. Existem muitos “detalhes” para integrar e tornar esse ritual mais íntimo e divertido. Use velas, música, aromas. Aliás, aromatizar é fundamental, e não esqueça aquele sabonete de glicerina vegetal, argila e ervas.

Escalda-pés

Este não é um hábito indicado para ser feito diariamente, mas vale a pena usá-lo quando perceber que as coisas estão aceleradas e passando um pouco dos limites. Mensagem embutida: pare, relaxe, desintoxique-se e durma! As toxinas do corpo seguem a lei da gravidade, acumulando-se nas pernas, pés e mãos; e, normalmente, procuram sair gradualmente através da pele. O sulfato de magnésio – o famoso sal amargo – quando usado num escalda-pés, “dissolve” essas toxinas que são, então, eliminadas na água. Esse procedimento é indicado em casos de intoxicações mais acentuadas e pode ser aplicado na forma de escalda-pés ou banho de imersão. Como qualidade energética, ele purifica e regenera.

Como praticar: feche as portas e janelas para evitar correntes de ar. Evite movimentos desnecessários, conversas e presença de pessoas não relacionadas ao tratamento. Use uma bacia, balde ou similar (não de plástico), grande o suficiente para conter os pés de modo confortável. Encha o recipiente com água quente (sem exceder 40o C) na quantidade certa para cobrir por completo os tornozelos. Dissolva de 3 a 5 colheres (de sopa) de sulfato de magnésio.

Sente confortavelmente usando roupas folgadas e joelhos cobertos. Mergulhe aos poucos os pés na água e cubra as pernas com uma toalha. Coloque um agasalho ou manta nas costas. Ao final, enxague os pés com água fria e pura, para interromper o processo de “corrosão” das toxinas. Seque bem os pés, calce meias e vá direto para a cama, cobrindo-se adequadamente. É recomendável beber um copo de água morna antes do escalda-pés e manter, durante sua aplicação, uma compressa de água fria na testa para refrescá-la, direcionando o sangue para outras áreas do organismo. Renove a compressa sempre que ela se aquecer.

Frequência: uma ou mais vezes na semana, geralmente  noite, antes do sono, até o desaparecimento dos sintomas. A duração é de 10-15 minutos, não devendo ser demorado, para que as toxinas liberadas não retornem do corpo.

Banho de imersão: Para completar a purificação realizada através do escalda-pés, uma vez por mês pode-se fazer um banho de imersão, numa banheira ou ofurô. A quantidade de sulfato de magnésio pode variar de 7 a 10 colheres (sopa), segundo o peso e volume da pessoa. Pode-se acrescentar ervas medicinais e óleos essenciais aromáticos, para complementar a ação terapêutica do sal amargo. Para hidratar o corpo, pingue na água do banho 5 ou 6 gotas de óleo de amêndoa doce. Igualmente, o banho não deve ser prolongado (10-15 minutos) e é importante o enxágue com água limpa ao seu término.

 

Opções de ervas medicinais

Camomila – Os resultados desse banho você nota imediatamente, pois ele dá profunda sensação de repouso e faz uma limpeza completa em sua pele.

Hortelã – Perfeita para tonificar os músculos e renovar as energias. Além disso, a hortelã contribui para amaciar a pele e tem um excelente efeito desodorizante.

Alfazema – O banho de alfazema tem uma grande vantagem, pois você já sai dele suavemente perfumado

Sálvia – Erva de efeito anti-inflamatório que ajuda a combater cravos e espinhos. O banho de sálvia é recomendado especialmente para quem tem pele oleosa.

Flor de Laranjeira – Dá uma gostosa sensação de frescor e descanso. A flor de laranjeira é também adstringente e fecha os poros excessivamente dilatados.

Melissa – Também conhecida como erva-cidreira, proporciona um banho relaxante e perfumado. Tomado antes de dormir, garante um sono tranquilo.

 

*Conceição Trucom é doutora em química, cientista, palestrante e escritora sobre temas voltados para o bem-estar e a qualidade de vida. Ela reside no Guarujá no litoral paulista. Entre alguns dos seus livros se destaca Alimentação Desintoxicante –  www.docelimao.com.br

 

Facebook Comments

Share This