Por Lucas Paz | Tradução: Lucas Veiga

Primeiro, se você não tiver lido a primeira parte deste artigo, te convidamos a ler aqui. Nessa segunda parte nós falaremos sobre como conseguir fundos para o seu projeto e as diferentes plataformas, a parte que envolve a distribuição e como você pode conseguir trabalhos, assim como o testemunho e diferentes pontos de vista de profissionais da indústria do cinema.

Ache sua equipe: financiamento de curtas

Como um diretor independente recém-formado da escola de cinema você talvez esteja se perguntando: como eu posso achar investidores para meus filmes? Bem, se financiar um longa metragem já é difícil, especialmente para diretores novos, para os curtas também não é tarefa simples. Planeje bem desde a pré-produção até o lançamento tendo em mente que boa parte do sucesso de um curta envolve uma forte, simples e emocionante trama aliada a boa propaganda, então esteja pronto para o que vai entregar (kit de impressa online, diferentes formatos de exportação do filme, cartazes, catálogos e postais).

Apesar de ter um custo muito menor para produzir um curta-metragem decente, geralmente isso representa um risco maior em algo que pode não trazer tanto retorno para o investidor. Assim sendo, uma das coisas mais importantes da sua carreira é identificar o seu público, encontrar a sua multidão, para quem são seus filmes. Seja específico. O que podemos dizer através da nossa experiência é que com bom planejamento talvez seja possível minimizar parte do custo ou até conseguir seu investimento de volta usando as seguintes estratégias:

 

Faculdade de cinema:

Escolha bem sua faculdade de acordo com o investimento que você paneja fazer. Faculdades de cinema são em geral caras; elas envolvem anuidade e taxas que vão cobrir não apenas o conhecimento que você vai adquirir, mas também custos com o seguro do equipamento provido. Elas são um jeito interessante de aprender a profissão através de exemplos, repertórios estéticos, e de aprender a usar equipamentos caros aos quais você talvez não teria acesso. Logo você irá perceber que quanto mais você pratica produzindo curtas em diferentes sets de filmagem, melhor você fica na técnica e nas escolhas artísticas.

Porque a escola de cinema está inclusa em “financiamento”? É um investimento; é como você começa a gastar um bom dinheiro na sua carreira, e cada uma delas tem diferentes abordagens aos produtos que os estudantes produzem. É também um aliado para parceiros de financiamento, para rede de contatos, é um espaço seguro.

Algumas escolas vão cobrir o seguro de locações, seguro de vida, providenciar equipamentos e o seguro deles também, AFI (“American Film Institute”), por exemplo. Algumas escolas, como a que eu frequentei, NYFA (“New York Film Academy”) irão cobrir apenas as locações e providenciar os equipamentos. Mas NYFA pode ser atualmente a única que permite os filmes dos estudantes ser sua propriedade. A maioria das outras escolas são os detentores dos direitos autorais das produções de seus estudantes. Também é verdade que algumas delas financiarão o projeto do aluno em sua totalidade ou parcialmente, devolvendo parte do que o aluno pagou como anuidade. Na Califórnia temos a AFI, USC, UCLA, Chapman, CSULB, NYFA, LAFS e muitas outras instituições.

 

Plataformas de financiamento coletivo:

Esse foi um novo modo de marketing para diretores independentes, que logo aprenderam a usar essas plataformas como um local de publicidade focada em “pré-venda” aonde você pode construir gradativamente seu público para seus projetos ao longo dos anos. Enxergar essas plataformas como lugar de pré-venda dos seus projetos muda toda a estratégia de propaganda.

O segredo de como obter sucesso? Desenvolva um avançado calendário de campanha e produção, seja ativo nas mídias sociais, se engaje com outros projetos de interesse do seu público feitos por outros artistas, prove boa qualidade de produção desde a veiculação da campanha, seja pessoal e fiel a seu público, cumpra as promessas feitas a eles.

Há muitas plataformas assim como muitos serviços terceirizados que prometem “impulsionar” sua campanha. Mas se você dedicar cerca de 2 meses para planejamento e para alcançar as etapas de como construir e engajar seu público ao produto oferecido antes mesmo de lançar a campanha de financiamento, você tornará possível a capitalização do seu curta.

Um diretor que conseguiria fundos para seu primeiro projeto através de financiamento coletivo está compartilhando isso. “Under Water: Dive Deep” dirigido por mim levantou 5,997 dólares em 30 dias, alcançando 114% da meta original. Foi um trabalho integral durante o mês de campanha. Aqui estão algumas plataformas: Indiegogo, Seed&Spark (plataforma dedicada somente para cineastas, tem ferramentas bastante interessantes), Catarse, Vaquinha, Gofundme, e Kickstarter. De novo, dê tempo suficiente para que você possa construir seu público.
 

Concessões e Investimento Direto:

Se a competição cresceu conforme os equipamentos de alta qualidade se tornaram mais acessíveis, procurar por fundos também se tornou mais “fácil” na era digital. Há muitos sites dedicados a publicar programas de concessões durante o ano ao redor do mundo. Instituições privadas procurando por descontos fiscais investindo em cultura. Estúdios maiores e menores procurando por conteúdo. Festivais e concursos que tem prêmios em dinheiro. Canais de TV investindo em produções independentes, por exemplo, pequenos documentários para serem desenvolvidos sob sua consultoria e financiamento, como o concurso público da TV Futura lançado no Brasil no início do ano de 2017.  Subsídios institucionais específicos em que o Patrocinador procura um curta-metragem ou uma série de curtas-metragens para promover ou educar em relação à sua empresa e às suas políticas. Subvenções estaduais para desenvolver cultura e qualificar novos profissionais.

 

Negócios, Distribuição e Plataformas

Se o financiamento pode ser um desafio, agora que você encontrou sua estética, desistiu de muitas certezas e escolhas iniciais, perdeu muitas noites de sono desde a escrita, a escolha de elenco, ao ensaios, às filmagens até finalmente à edição, coloração e construção do som, aonde você vai exibir sua obra prima? Quem irá assistir seus curtas? Agora começa o verdadeiro desafio, colocar em prática todas as fases que discutimos para identificar a quem vender e como.

A boa notícia sobre todo esse processo é que se os curtas passaram por diferentes fases de consumo através da história: de ser o principal produto disponível, a se tornar uma peça alternativa exibida  juntamente aos longas-metragens no cinema, de abandonar o cinema para dar espaço a propagandas governamentais e sucessivamente para publicidades e trailers, migrando de propósito e de conteúdo para canais de televisão, daí ter seus próprios festivais, alcançar um espaço de expressão livre na internet, e agora sendo comprados sob demanda; esperamos que os curtas-metragens vivam uma grande era em que o consumidor é mais amplo em faixa etária, o acesso é mais imediato, a demanda  geral de conteúdo é maior e a forma de absorver o mundo tornou-se mais rápida, mais fragmentada. Portanto, um conteúdo curto e interessante tornou-se um produto de alta demanda para entretenimento e propaganda.
 

Apesar da discussão inicial sobre como produzir / financiar o seu curta-metragem, vamos mencionar brevemente maneiras de divulgar o seu trabalho e monetizar:

Há muitos sites específicos e plataformas especializadas em distribuição de curtas, alguns de graça, alguns que fecharão negócio em troca dos direitos autorais, alguns portais online “pay-per-view” que permitem que você monetize uma porcentagem do  lucro total, baseado em visualizações, alguns permitem que o público compre  ou alugue diretamente seu filme por uma taxa fixa, sem custo adicional para você, cineasta (como “Bandcamp” para os músicos), alguns cobram-lhe antecipadamente para lançar o curta-metragem na interface deles para compra e aluguel.

Há diversas plataformas pelo mundo, iremos nomear algumas localizadas nos EUA para sua pesquisa pessoal de como cada uma opera: Shorts International, também responsável pelas marcas Shorts HD e Shorts TV; AT&T; T-Mobile; DirecTV; Frontier Communications; Century Link Prism, Fios, Google Fiber; SBB; MagineTV; DECTV; USSONET; iTunes; Amazon Instant Video; Digital Box Office; Future Shorts; Youtube; Vimeo on Demand.

Festivais de filmes e feiras de mercado cinematográfico continuam sendo um forte caminho para a maioria dos diretores independentes como forma de exibir seu trabalho, gerar público, conhecer diferentes mercados, estabelecer contatos, parcerias e apresentar projetos para investidores. 

Exibições públicas pagas em teatros de pré-estréia, em teatros independentes, em salas de exibição recentemente abertas, bares e restaurantes especializados e casas de arte cinematográfica. Em Los Angeles por exemplo, podemos citar: Laemmle, Cinefamily, Nuart, Arena Cinelounge, Regal Theatre, The Downtown Independent, REDCAT, Echopark Film Center, Bugatta Bar e Restaurant, El Cid Bar & Restaurant.

Exibições em Televisão e Linhas Aéreas: Uma série de redes locais de canais de TV a cabo, bem como companhias aéreas estão oferecendo um bom dinheiro pelos direitos de transmissão de curtas-metragens. E, finalmente, através da Venda dos Direitos do Curta para ser produzido como um longa-metragem.

 

Pontos de Vista de Profissionais da Indústria

Como cineastas que somos, com uma sólida experiência criativa e técnica em artes cênicas, produzindo e dirigindo cinema e teatro, depois de refletir sobre origem, definição, propósito, público e investimento, é importante ouvir outros profissionais sobre o que eles poderiam adicionar a essa discussão sobre a relevância de explorar curtas como um produto cinematográfico criativo específico. O que se segue são seus depoimentos e expressa sua visão pessoal sobre o assunto.

 

Filipi Silveira (Diretor – MS, BR)

Quem nasceu primeiro, o ovo ou a galinha? Qual deles apareceu primeiro, o curta ou o longa-metragem? O curta é o início, o exercício do diretor para contar suas histórias, delegar tarefas e tornar-se familiar com a estrutura que move a 7ª arte. Os desafios enfrentados em longas-metragens são outros e imensos, mas você precisa começar de algum lugar e passar por fases específicas em que a produção de curtas te permitirá atingir maturidade.

Breno Pessurno (Diretor, Cantor, Melhor Documentário LABRFF 2014, – RJ, BR)

Eu penso em autores importantes, como Virginia Wolf, que reúne tamanha imaginação em tão poucas páginas. Isso imediatamente me inspira e me transporta para um curta, como aqueles com grande respiro imaginativo. Isso me motiva a criar rapidamente em um formato de filme curto.


Gabriel Moura (Roteirista CSULB – CE, BR/CA, US)

Eu penso em dois maiores motivos para se fazer curtas são: experiência e currículo. Embora numa escala menor, curtas-metragens exigem todas as etapas de um longa. Você precisa de um roteiro, elenco, produção, locações, ensaios, câmera, edição, efeitos, música etc. Quando você consegue um curta-metragem bem-sucedido que transporta grandes públicos, você pode mostrar a colaboradores e investidores que você tem o talento para projetos mais ambiciosos. Ao finalizar seus curtas, você tem uma prova de suas experiências específicas, algo que você pode listar no seu currículo ou disponibilizar no seu site.


Felipe Folgosi (Renomado Ator de Cinema e TV, Criador de HQ – SP, BR) 

Curtas são muitas vezes subestimados se comparados com longas, como sendo considerados um simples “ensaio” para diretores novatos. É verdade que curtas são por excelência um formato para experimentação, o que os torna essenciais para as artes audiovisuais. No que diz respeito a importância, da mesma forma que um conto pode ser tão brilhante quanto um romance, um curta pode ser mais poderoso em sua síntese do que um longa-metragem.

 

Dionísio Neto (Ator, Produtor, Escritor conhecido por Carandiru e Meu Amigo Hindu /Hector Babenco – MA/SP, BR)

O cinema não é chamado de “sétima arte” à toa. A o esmero, o cuidado, e sobretudo o tempo que podemos dedicar a ele é libertador. Curtas metragens, além de extremamente acessíveis, possibilita à equipe toda esta liberdade elevada ao infinito. Fora a importância do exercício deste ofício que muitas vezes revela grandes artistas. Kevin Spacey, um dos maiores astros de Hollywood produz curtas maravilhosos. É uma forma dele sair da sua zona de conforto e descobrir novos caminhos que muitas vezes são surpreendentes. (*Depoimento enviado antes das denúncias feitas a Kevin Spacey, levando em consideração a obra e não o comportamento pessoal do artista).


Kayky Brito (Ator de TV – RJ, BR)

Mais do que por quê investir em um curta, o foco aqui é que ele atende a finalidade de revelar sua visão e princípios como artista. Não importa quão profundo você vá ao explorar um tema para esse curto período de tempo na tela, sempre haverá uma parte de você nas entrelinhas.

 

 

Thales Corrêa (Diretor – MG, BR/CA, US)

Os curtas têm sido impopulares na indústria cinematográfica há algum tempo, mas agora estão se tornando um negócio maior com o aspecto da monetização por trás deles. O crescimento de anúncios de vídeo e uma audiência online de centenas de milhões, fazem com que investir dinheiro em um curta seja uma oportunidade que possa trazer imenso retorno. A internet transformou a forma como as pessoas consomem entretenimento e os curtas voltam a ter bastante relevância. Eles estão se tornando uma ferramenta relevante de comunicação, promovendo valores, cultura e ética.

Quer Mais?

Descubra matérias extras e uma lista de recursos úteis com ótimos livros, posts de blogs interessantes e outros links diretos na seção de cinema do site ou indo direto AQUI.

* Lucas Paz é um artista multimídia brasileiro em Cinema, Teatro e Artes Visuais. Ele tem bacharelado em direção de teatro pela Universidade de São Paulo e MFA em Cinema pela New York Film Academy. Com mais de 20 anos de experiência como ator profissional, ele dirige e produz peças de teatro, intervenções artísticas, filmes, comerciais e videoclipes. Entre alguns dos muitos nomes com quem trabalhou citamos Pepe Serna, Robyn, Offspring, Tyga, Avenged Sevenfold, Wankelmut, Halestorm, Bill Duke, Zé Celso Martinez Corrêa, Daniela Escobar, e Thaila Ayala. Ele foi o curador do Festival de Cinema Brasileiro de Los Angeles 2017 e é o CEO da (PRE)FORMA-SE Artistic Productions desde 2010. www.imdb.me/lucaspaz  |  www.lucas-paz.com