Foto: Reproducao/Rio2016.com

Foto: Reproducao/Rio2016.com

A canoagem deu muito o que falar pelo Brasil afora e terminou sendo a grande boa surpresa brasileira na Rio 2016. Na modalidade conseguimos três medalhas – duas de pratas e uma de bronze, e um fato histórico já que nunca havíamos ganhando medalhas nessa modalidade na historia das olimpíadas. Um jovem baiano, humilde, de 22 anos chamado Isaquias Queiroz foi o grande destaque que mudou a história da canoagem no Brasil.

A primeira medalha veio através dele na conquista de uma medalha de prata em uma modalidade não muito difundida no Brasil. Para  o baiano porem, o fato das medalhas terem surgido não chegou  a ser uma surpresa para ele já que o mesmo já tinha em seu currículo títulos nos Jogos Pan-Americanos de Toronto (CAN) em 2015, além de boas colocações em algumas etapas de Copa do Mundo da modalidade.

O fato histórico que garantiu a primeira medalha olímpica no esporte para o Brasil aconteceu na lagoa Rodrigo de Freitas  onde o brasileiro cruzou os 1000m da raia com o tempo 3m58s529, e atrás do favorito e campeão Sebastian Brendel, da Alemanha, que ficou com a medalha de ouro. Após essa conquista histórica, o canoísta ainda teve a chance de conquistar mais duas medalhas na Olimpíada do Rio e não decepcionou. O brasileiro disputou as provas do C1 200m e ganhou a medalha de bronze e por ultimo, disputou a prova do C2 1000m – esta em parceria com Erlon de Souza, e garantiu outra prata para o Brasil.

O fenômeno e filho ilustre da pequena cidade baiana de nome Ubaitaba talvez seja fonte de inspiração a partir dessa primeira olimpíada no Brasil, para muitos jovens e crianças pobres no pais que podem perceber desde muito cedo que a canoagem também pode ser uma boa chance de um futuro melhor. As três medalhas olímpicas e os títulos mundiais (júnior e adulto) do jovem baiano estimula a imaginação desses jovens sonhadores – como foi o caso do próprio Isaquias, que passou por cima de todas as dificuldades e ganhou o Brasil, e talvez o mundo.

>>> E muito justo: que a comitê olímpico brasileiro tenha escolhido o jovem baiano para ser o porta-bandeira que representa o Brasil na cerimônia de enceramento da Rio 2016.

Facebook Comments

Share This