Foto: Divulgação Comitê Norte-America

A candidatura norte-americana derrotou a de Marrocos por 134 votos a 65 na quarta-feira (13/6) no Congresso da FIFA realizado em Moscou. A Copa de 2026 marcará o início de uma nova era e um novo modelo pois será a primeira vez que o evento contará com a participação de 48 seleções. Também será a primeira vez que o maior torneio mundial de futebol (e segundo do planeta ficando atrás apenas das olimpíadas) terá jogos em três diferentes países com a aliança EUA-Canadá-México.

A edição de 2026 terá mais participantes e consequentemente mais jogos e mais estádios. Ao invés dos atuais 32 times divididos em oito grupos de quatro, o Mundial terá 48 participantes, divididos em 16 grupos de três. Os dois primeiros de cada chave avançam aos mata-matas, que terá uma fase a mais na plataforma com 32 equipes – até a Copa de 2022 no Catar. O novo formato do Mundial vai obrigar a FIFA
a redesenhar as Eliminatórias para a Copa, já que todas as confederações terão mais vagas.

Foto: Reprodução/Instagram

A Copa de 2026 será liderada e majoritariamente disputada nos EUA. Das 80 partidas do torneio, 60 serão no país, inclusive a final. As demais 20 serão divididas igualmente entre Canadá e México. Será a segunda Copa nos EUA já que o país organizou o torneio em 1994, e a terceira do México, que abrigou a Copa em 1970 e 1986.

No Congresso da FIFA também houve um importante avanço no que se refere à consolidação  uma eleição mais transparente com a volta, depois de décadas, do sistema de votação aberta, e com a participação de todas as associações nacionais de futebol. As sedes dos Mundiais de 1990 a 2022 foram escolhidas pelo 24 integrantes do Comitê Executivo da Fifa (hoje rebatizado de Conselho da Fifa). A última delas, que resultou na vitória de Rússia (2018) e Qatar (2022), foi marcada por denúncias de corrupção e compra de votos.

O Rose Bowl Stadium em Pasadena pode receber novamente uma final de Copa de Mundo

Na luta para ganhar a candidatura, a aliança EUA-Canadá-México prometeu lucro recorde para a FIFA e para as associações nacionais. Numa apresentação de 15 minutos para a plateia do Congresso da Fifa, o presidente da federação americana de futebol, Carlos Cordeiro, prometeu uma arrecadação de US$ 15 bilhões, com lucro de US$ 11 bilhões. Como comparação, a Copa do Mundo de 2014 teve faturamento de US$ 4,8 bilhões.

 

O líder da aliança, EUA, teve ate envolvimento pessoal do presidente Trump, que escreveu cartas ao presidente da Fifa, Gianni Infantino, nas quais prometeu conceder vistos “sem preconceitos” para atletas, dirigentes e fãs de todos os países que disputarem a Copa. Los Angeles, San Francisco, Nova York e Houston devem ser as cidades que disputarão a abertura e a final da Copa 2026.

Share This