O furacão Florence, rebaixado a depressão tropical, passou, mas deixou mortes, muito prejuízo material para trás e ameaças de inundações que podem destruir casas. Até oito mil pessoas dentro e nos arredores da cidade de Georgetown, na Carolina do Sul, foram orientadas, nesta segunda-feira (24) a deixar suas residências antes das enchentes violentas que devem ser provocadas pelo transbordamento de dois rios em decorrência das chuvas nesta semana, possivelmente o último capítulo da destruição causada pelo Florence.

Após ser responsável pela morte de 44 pessoas e destruir parte da infraestrutura de cidades localizadas nos estados norte-americanos da Carolina do Norte e Carolina do Sul, a passagem do furacão Florence ainda traz consequências negativas: no último final de semana, bombeiros tiveram de retirar milhares de peixes mortos que se acumulavam na rodovia Interestadual 40, na Carolina do Norte. As inundações que ocorreram por conta da passagem da tempestade fizeram com que mais de 75 centímetros de água se acumulassem sobre a rodovia, deixando-a submersa por alguns dias.

Surpresos com a quantidade de animais mortos que estavam no local, os bombeiros utilizaram uma mangueira de alta pressão para limpar a rodovia. De acordo com os relatos, o cheiro causado pelos peixes mortos era muito forte. Após a limpeza parcial da rodovia pelos bombeiros, o departamento de transporte da Carolina do Norte continuou a remover os milhares de peixes que estavam na região. O furacão Florence chegou ao território norte-americano no último dia 14 de setembro e é considerado um dos fenômenos mais devastadores que atingiram o país nas últimas décadas.

Até o final desta semana, inundações de 1,5 metro a 3 metros devem atingir Georgetown e as comunidades vizinhas quando os rios Pee Dee e Waccamaw transbordarem ao longo das planícies baixas de lama onde convergem na Baía Winyah, que flui para o Atlântico.

Com isso, autoridades de gerenciamento de emergências começaram a enviar mensagens telefônicas pré-gravadas aos moradores da região ameaçada no final de semana, e provavelmente começarão a ir de porta em porta nos próximos dias, disse a porta-voz do condado de Georgetown, Jackie Broach-Akers.

Segundo a porta-voz, entre 6 mil e 8 mil pessoas residentes na área estão sendo “fortemente exortadas” a partirem por conta própria, mas nenhuma retirada obrigatório foi ordenada.

O condado pretendia abrir abrigos de emergência às 7h desta segunda-feira, e hotéis situados fora da zona de alagamento na vizinha Myrtle Beach estão oferecendo descontos para as pessoas que baterem em retirada. As escolas públicas ficarão fechadas até segunda ordem, disse a porta-voz.

Facebook Comments

Share This