A brasileira Ana Cristina teve visto cancelado após ser deportada dos EUA quando chegou em Boston. Foto: arquivo pessoal

Na primeira semana de agosto (2018), o governo americano divulgou números e nacionalidades de viajantes estrangeiros que entraram legalmente nos EUA em 2017 e ultrapassaram o prazo de permanência dos vistos, ou seja, permaneceram no país em situação irregular. Um relatório do Departamento de Segurança Nacional (DHS) para o ano fiscal de 2017, revelou que mais de 606 mil visitantes do país ultrapassaram o prazo de permanência de vistos de turista, assim como trabalho, negócios e estudante, consequentemente, se tornando imigrantes indocumentados que sofrem o risco de deportação.

Os dados dessas violações representam apenas 1.15% dos 52.6 milhões de entradas autorizadas no país via ar ou mar, conforme o relatório nesse respectivo ano.

Em uma parte do relatório o DHS menciona “identificar os estrangeiros que ultrapassam o período autorizado de permanência é importante para a segurança nacional, segurança pública, cumprimento das leis migratórias e processamento das aplicações para benefícios migratórios”.

Na segunda semana de agosto (2018) a mídia americana, inclusive várias redes de TV, veicularam matérias sobre o assunto mencionando que o DHS continuará a colher dados biográficos e biométricos dos viajantes.  Segundo o governo americano, a intenção é melhorar  o rastreamento dos milhares de violadores da lei que permanecem nos EUA após o prazo permitido legalmente.

Na sexta-feira (17/08), a rede CBN do Brasil divulgou que no domingo (12/08), três brasileiros que desembarcaram em Boston em voos vindos do Brasil com vistos de turistas, foram interrogados, depois algemados e detidos em celas por uma noite para, em seguida, serem deportados. Segundo a CBN, o visto dos brasileiros estava em dia e eles apresentaram as passagens de volta e os comprovantes de hospedagem.

Um dos brasileiros era a paulista Ana Cristina Crepalde. Ela contou à CBN  que os agentes ficaram desconfiados por ser sua segunda viagem pra Boston. Ainda de acordo com Ana, os oficiais de imigração insistiram dizendo que alguém a esperava no aeroporto, o que ela nega. A mulher afirmou que trabalha há 14 anos na mesma empresa e que viajou de férias. Ela passou a noite sozinha, em uma cela, e só conseguiu se comunicar com a família quando voltou ao Brasil.

O que se pode concluir baseado no relatório é que o governo americano está procurando melhorar o controle quanto aos que chegam no país “legalmente”, seja com visto de turista ou de estudante, já que estes representam uma parcela importante na imigração indocumentada nos EUA.  Calcula-se que o número de pessoas que entram nos país legalmente, mas permanecem depois do vencimento do visto é de 40% dos 11 milhões de imigrantes indocumentados nos EUA atualmente.