Kamala Harris

As eleições presidenciais dos EUA acontecerão apenas em novembro de 2020, mas os pré-candidatos já anunciam sua intenção de concorrer à indicação dos seus partidos, ou seja, de representá-los na disputa final das urnas.

E ao que tudo indica, as mulheres estão com força na disputa pelo cargo da presidência. Somente nos primeiros meses de 2019, já foram cinco as líderes políticas a anunciarem sua intenção de concorrer às primárias — votações que ocorrem antes das eleições propriamente ditas para que as legendas escolham seus candidatos à presidência — pelo Partido Democrata.

Veja abaixo quais são os nomes que deverão se destacar entre os democratas para as eleições de 2020:

Kamala Harris – Considerada uma estrela em ascensão da oposição americana, foi a primeira mulher procuradora-geral da Califórnia e a primeira senadora de origem indiana e afro-americana dos EUA, por ser filha de uma indiana e de um jamaicano. É uma vocal crítica do presidente Donald Trump, incluindo das suas políticas migratórias. Tem a vantagem de vir do estado com maior número de delegados, que em 2020 vai antecipar sua primária, mudando a estratégia da nomeação. Ela anunciou sua candidatura em janeiro de 2019, no feriado que que homenageia Martin Luther King, dizendo que ele é uma inspiração para ela.

Joe Biden – Ex-vice-presidente de Barack Obama, é muito popular na classe média trabalhadora. Uma das suas vantagens seria a possibilidade de ajudar a recuperar o apoio de estados industriais, que votaram majoritariamente por Trump na última eleição. Considerado figura-chave para os democratas, Biden provocou uma onda de expectativas com a demora em definir se afinal vai ou não enfrentar a empreitada presidencial.

Bernie Sanders – Pré-candidato sensação de 2016, o líder da esquerda do partido e senador pelo estado de Vermont foi bastante popular, sobretudo entre os jovens, na última campanha, com fortes críticas a Wall Street e à sua então rival, Hillary Clinton. Sua plataforma ultraprogressista assusta políticos tradicionais da legenda, enquanto mobiliza a base eleitoral que vota nas primárias. O Partido Democrata tem explorado questões centrais ao seu discurso, como o acesso universal à saúde, a redução da desigualdade de renda e faculdades públicas gratuitas.

Tulsi Gabbard – A democrata Tulsi Gabbard também já anunciou sua pré-candidatura. Veterana de guerra no Iraque, se eleita, a congressista de 37 anos, que costuma surfar em seu país natal, Havaí, seria a presidente mais jovem da História dos EUA. É a primeira legisladora de ascendência samoana no Congresso e atualmente atua no Comitê de Relações Exteriores da Câmara dos Representantes.

Beto O’Rourke – O parlamentar de três mandatos se tornou um sucesso entre os democratas com sua campanha pelo Senado no profundamente conservador estado do Texas. Ele perdeu a disputa, mas quebrou recordes de arrecadação de fundos, concorrendo com uma plataforma progressista que pode servir de modelo para democratas em 2020.

Cory Booker

Cory Booker – O senador do estado de Nova Jersey, de 49 anos, é um ex-jogador de futebol americano pela Universidade de Stanford e ganhou destaque como prefeito da cidade de Newark. Sua popularidade aumentou quando salvou um vizinho de uma casa em chamas em 2012. Ao lançar sua candidatura, falou sobre a discriminação racial sofrida pela sua família e prometeu “canalizar nossas dores comuns em nossos propósitos comuns”.

Kirsten Gillibrand – A senadora de Nova York foi indicada ao Senado para substituir Hillary Clinton em 2009, quando Clinton foi nomeada secretária de Estado e, desde então, tem se tornado uma líder do movimento #MeToo. Seu discurso tem colocado os direitos das mulheres e o combate ao assédio sexual nas Forças Armadas em posição central. Ao anunciar sua candidatura, disse acreditar que é uma figura capaz de unir o país, num momento de alta polarização entre aqueles que são contra e a favor o governo de Donald Trump.

Amy Klobuchar – A senadora de 58 anos, ainda pouco conhecida a nível nacional, anunciou sua candidatura em fevereiro de 2019 com a promessa de falar ao estado de Minnesota, tradicionalmente conservador. Poderia ser um nome palatável no Meio-Oeste, onde Trump é forte. Algumas das suas vantagens para a corrida presidencial são a sua ampla experiência e o fato de representar a onda feminista que nos últimos anos vem se espalhando sobre os Estados Unidos.

Elizabeth Warren

Elizabeth Warren – Aos 69 anos de idade, a senadora pelo estado de Massachusetts é uma das principais críticas de Donald Trump. Suas críticas a Wall Street e o fato de ser mulher poderiam alavancar suas chances de sucesso num país onde todos os presidentes foram homens. Ela foi apelidada por Trump de “Pocahontas” por afirmar que tem herança indígena. Em outubro, divulgou um teste que confirma o seu DNA de indígenas americanos. Entretanto, a polêmica acabou gerando críticas de líderes indígenas, que afirmaram que não basta o sangue, mas sim pertencer à cultura indígena, para ser um representante do grupo.

Sherrod Brown – O senador por Ohio é um dos principais nomes do partido no Congresso. Ele dialoga bem com a oposição, defende leis em favor do meio ambiente e é respeitado por trabalhadores. Seu estado, que a cada eleição escolhe um partido, deve ser decisivo em 2020. Ao contrário de muitos dos seus correligionários, não defende acesso universal à saúde, mas sim para a população acima de 50 anos.

Facebook Comments

Share This