Por Lindenberg Junior

Primeiramente visualize a cena do empregado que trabalha 40h ou mais semanais e é obrigado de segunda a sexta a encarar aquele despertador irritante zumbindo no ouvido assim que o dia clareia, em seguida ter que enfrentar a loucura do trânsito e os engarrafamentos que tomam seu tempo. Daí você precisa chegar em seu emprego e “vender” suas horas diárias para fazer dinheiro para tornar alguém – que não é você – mais rico enquanto sua vida é deixada de lado e você e sua família parecem mal se encontrar.

Isso pode ou não ser sua experiência diária exata, mas vamos encarar assim, pois esta é a realidade da maioria das pessoas que vivem nos EUA, Austrália, Alemanha, Argentina, Brasil e muitos países ao redor do mundo nos dias de hoje. Estas pessoas são as que têm um “J.O.B” (emprego) ou “Just Over Broke” de uma forma mais sarcástica como se diz nos Estados Unidos – se referindo às pessoas que trabalham nesse ritmo e muitas vezes, enriquecendo outros, no caso, donos de negócios.

Uns anos atrás me encontrei neste mesmo barco e um pouco frustrado. Vinha o medo de perder o meu “salário” a cada quinzena (nos EUA) e arriscar no que poderia ser algo não tão seguro para poder escapar desta loucura de cumprir horário, trânsito diariamente… you know. Eu era um escravo moderno, sujeito a padrões de horário, modo de vestir e regras de uma sociedade corporativa.  Esse tipo de “escravidão” ainda está vivo e prosperando em muitos locais ao redor do mundo.

A verdade é que está apenas disfarçada, então a maioria compra essa ideia. Os novos donos de escravos de hoje estão liderando o “mundo corporativo” e comandando as grandes “massas” que continuam a obedecer às suas regras e seus relógios por dólares (ou pesos, reais, etc.) por quinzena (ou por mês). Eles nos dizem o quanto valemos, nos dizem quando e por quanto tempo precisamos trabalhar e, finalmente, comandam nossas vidas e controlam nosso destino.  Mas existe uma outra maneira, um modelo comprovado, que te permite retomar o controle.

O primeiro passo é perceber que você tem algemas ao redor dos tornozelos, ou seja, encarar essa realidade. Uma vez que tenha seus olhos abertos (e mente), procure por um caminho melhor. Uma mudança de jogo! Uma maneira de recuperar sua vida e controlá-la. Nos últimos anos novas opções e oportunidades tem surgido para escaparmos desse tipo de “escravidão”. Você pode ter uma grande ideia e dinheiro para investir em seu próprio negócio, mas essas novas opções que menciono são, na maioria das vezes, como “freelancer” ou “sua própria empresa”.

Nos últimos anos com o avanço da tecnologia, existem cada vez mais oportunidades de trabalharmos em casa e termos certa flexibilidade usando ferramentas que já possuímos, como nosso computador, laptop ou mesmo telefone celular. O importante é ter em mente que sim, existem várias maneiras, hoje em dia, de sair do que os americanos chamam de “9 to 5 job”.

Se você quer dicas de como começar, recomendo que leia um artigo sobre plataformas digitais e a importância das novas tecnologias no mercado competitivo dos EUA. Ou ainda sobre como ganhar dinheiro como freelancer e outras opções de trabalho dentro do mercado norte-americano. Essa leitura poderá te guiar para uma melhor escolha em seu futuro profissional.

Coloque em prática sua habilidade de se comunicar e converse com pessoas que ama e tem zelo (evite aquele tipo de pessoa negativa, que não têm atitudes positivas frente à vida), profissionais dentro de sua área ou nicho, e não deixe de ter um perfil escrito profissionalmente sobre você e suas habilidades na plataforma do LinkedIn (e comece a aumentar e melhorar suas conexões). Reserve  tempo para si mesmo e busque conhecer melhor a si mesmo. Peça ao seu anjo da guarda para lhe mostrar novos caminhos. Não acredita em anjos da guarda? Pergunte a alguém em quem você confia e acredita. Por último, o importante é se capacitar para que essa mudança de vida aconteça.

Facebook Comments

Share This