Há 110 anos, o navio Kasato Maru aportava no Brasil com a primeira geração daqueles que se tornariam os imigrantes japoneses. Mais de 700 japoneses chegaram ao país em 1908 para trabalhar, essencialmente, nos cafezais de São Paulo.

Entre conflitos de primeira e segunda guerra mundial, pouco a pouco, novos imigrantes saíam do Japão e iam se estabelecendo no Brasil fortalecendo o intercâmbio entre os dois países. Desde a primeira geração de imigrantes até 2018, a população de descentes de japoneses no Brasil chegou a quase dois milhões de pessoas, tornando-se a maior comunidade dessa nacionalidade fora da terra do sol nascente.

Na década de 50, em comemoração ao Cinquentenário da Imigração japonesa, membros da Família Imperial visitaram o Brasil com a presença, inclusive, do casal de Príncipes Mikasa. Desde então, as comemorações acontecem a cada década e, com performances interativas e envolventes, a celebração do aniversário de imigração homenageia a pluralidade cultural do país, assim como a relação de harmonia e respeito construída há tantas décadas entre o Brasil e o Japão.

Em 2018, em comemoração aos 110 anos da entrada dos japoneses no país, aconteceram em alguns estados, em sua maior parte em São Paulo, centenas de eventos culturais, artísticos, esportivos e culinários que simbolizam a contribuição dos japoneses para a sociedade brasileira.

Para marcar a data, o Museu Histórico da Imigração Japonesa no Brasil, localizado em São Paulo (SP), reabriu após quase três meses de obras para modernização estrutural e de seu acervo. Para quem quer conhecer mais da história da imigração japonesa no Brasil, o museu exibe duas maquetes do navio Kasato Maru, que trouxe os primeiros japoneses ao Brasil em 1908, e além disso, os visitantes poderão ver também mais de 97 mil documentos, objetos e jornais da época que reúne momentos vividos pelos imigrantes durante os períodos da Primeira e da Segunda Guerras Mundiais até hoje. O ambiente foi todo equipado com telas touchscreen que proporcionam uma experiência de interação e imersão na história da imigração japonesa.

Nos negócios, a relação construída entre os dois países é de igual respeito e valor, tanto que, de janeiro a setembro de 2018, por exemplo, as 700 empresas japonesas com escritório ou fábricas no território brasileiro aplicaram cerca de US$ 800 milhões em investimentos no país.

Do desenvolvimento do jiu-jitsu à expansão agrícola do cerrado brasileiro, da introdução da berinjela na culinária nacional ao judô, é difícil enumerar todas as contribuições que os imigrantes japoneses deram ao Brasil. Atualmente, os quase dois milhões de descendentes japoneses que vivem hoje no Brasil constituem a maior comunidade de pessoas de origem japonesa fora do Japão. A maioria deles está em São Paulo, que reúne atualmente mais de 1,3 milhões de japoneses e descendentes.

Na paisagem urbana, bairros como o da Liberdade, em São Paulo, e cidades, como Bastos, no interior do Estado paulista, e Assaí, no Paraná, foram fundados por imigrantes japoneses e conservam até hoje características do país oriental. No campo das religiões herdadas pelos imigrantes japoneses, há destaque para o budismo, que chegou ao Brasil no começo do século 20, mas foi perseguido por causa do preconceito com as religiões orientais e por causa da barreira linguística.

Mas os brasileiros que vivem no Japão também deixam sua marca. De acordo com o embaixador do Japão, Akira Yamada, em entrevista a um veículo do governo brasileiro, os canarinhos vivendo por lá contribuíram para enriquecer a cultura e costumes japoneses. Como exemplos, ele citou o jogador brasileiro Zico que foi importante para o desenvolvimento do futebol no Japão e a bossa nova, gênero musical brasileiro dos anos 60 que até hoje é muito apreciada pelos japoneses. O embaixador observou ainda que os 200 mil trabalhadores brasileiros que vivem hoje no Japão são responsáveis pela disseminação do gosto pelo churrasco e pelo samba.

Como toda relação recíproca e bilateral, há ganhos para ambos os lados. A imigração japonesa trouxe importante e inestimável contribuição ao país: desde a introdução de técnicas mais eficientes na agricultura no início do século XX, passando pela contribuição científica e instalação de grandes empresas multinacionais japonesas no país, além de investimentos em todos os setores da economia brasileira. Segundo dados do Banco Central, somente nos últimos dez anos (2008-2018), foram cerca de US$ 28,4 bilhões investidos por empresas japonesas no Brasil.

Para estreitar ainda mais a relação entre os dois países, este ano será realizado o G20 no Japão e há a expectativa da visita de autoridades brasileiras ao país, inclusive do presidente Jair Bolsonaro. Na área de esportes, a Copa América, que será realizada no Brasil neste ano, receberá a seleção japonesa como país convidado, assim o interesse pelo Brasil no Japão será ampliado através do evento. Além disso, estão sendo realizadas entre os dois países trocas de ideias sobre os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos, que acontecerão em Tóquio, em 2020, e estima-se uma maior promoção do intercâmbio na área de esportes.

Facebook Comments

Share This