Por Aryadne Woodbridge


“Eu caminhava pelo shopping acompanhada da minha mãe quando fui descoberta por um olheiro, depois disso, minha vida se transformou!”. Basta ligar a TV para acompanharmos uma enxurrada de estórias de sucesso a partir do encontro acidental com um olheiro – aquele profissional que sai pelas ruas em busca das “caras novas”. Mas o que parece uma coincidência divina para uns, para outros pode ser mais um trambique que promete o estrelato rápido. Nesse caso particular, vamos abordar o mercado de crianças e do tema fotografia.

Em Los Angeles é muito comum encontrarmos anúncios em jornais do tipo agência de talentos e/ou de nos deparamos com um “agente” em locais públicos interessados na beleza diferente da criança (ou do modelo em geral). Já na agência, engabelados pela promessa de sucesso, acabam por “pagar para que o filho entre no mercado” sem qualquer garantia de retorno. O trambique tradicional ocorre a partir de uma sessão de fotos do menor.

Em seguida, empregados da agência dizem aos pais para mais tarde ligarem de volta para saber se a criança passou no teste fotográfico. Os pais ligam e recebem um “sim” da agência que pede para que eles retornem. No retorno, os pais escutam maravilhas sobre o seu filho e da necessidade de se fazer um “book” de fotos para a criança (de $2 a $4 mil) e a promessa de conseguir “gig’s” (trabalho). Em muitos casos, o que eles querem é vender o book de fotos e conseguir alguns dólares de sua conta bancária.

As agências que representam modelos legitimamente não cobram uma taxa inicial para servir como agente, assim como não cobram por “books” ou pelo trabalho do fotógrafo. Eles são pagos quando você receber o pagamento. Estão mais interessados no potencial e carreira do que diretamente no dinheiro, mesmo não garantindo trabalho regular. Portanto, verifique a reputação da agência e a estória de seus agenciados. Converse com eles. Pesquise. Desconfie. E nunca assine nenhum contrato sem a análise de um advogado.

Saiba que além de fotos profissionais, snapshots também são aceitos no primeiro contato. Abaixo seguem dicas de como fotografar seu filho de forma natural e espontânea e, assim, torná-lo mais atraente aos olhos do agente:

1. Coloque a câmera em modo automático, preferencialmente, para retratos;

2. Se preferir fotografar num local público, posicione seu filho contra ao sol, mas embaixo de uma sombra – sem esquecer-se de quanto melhor iluminado ele estiver, melhor será a foto;

3. Dê preferência a luz do final do dia que é mais suave, assim seu filho não sairá na foto forcando a vista.

4. Se puder usar um tripé, melhor, ou então segure a câmera de forma mais estável possível.

5. Foque nos olhos da criança e clique. Quanto melhor focado, melhor a foto será.

6. Menos é mais. Fotografe a personalidade de seu filho. Não há necessidade de fantasiá-lo para chamar atenção.

7. Uma foto de rosto e outra de corpo inteiro são o suficiente para o contato inicial com agências.

* Aryadne Woodbridge é fotógrafa profissional e jornalista. Ela vive em Orange County, no Sul da Califórnia, e de vez em quando contribui com a Soul Brasil magazine traduzindo ou escrevendo artigos.

Facebook Comments

Share This