Por Claudia Guedes | Tradução: Angela Hasan e Cristiane Magalhães

Há seis anos cheguei em San Francisco com a minha malinha e uma mochila cheia de cópias de documentos brasileiros do século 18 para serem examinados durante meu pós-doutorado na Universidade da Califórnia em Berkeley. Com o “peso” da minha carreira nos ombros, meus olhos brilhavam de prazer ao ver natureza e cidade coexistindo de maneira tão harmônica.

Meu primeiro passeio pela Bay Area foi com o meu instrutor, que orgulhosamente me mostrou as várias influências brasileiras na área. Entretanto, logo fiz uma outra observação: o número de brasileiros que encontrei foi maior que o esperado. Não é raro ouvir o português sendo falado nos meios de transporte, em lojas, ou mesmo quando estamos pedindo uma pizza. Também não é difícil encontrar produtos, restaurantes ou roupas brasileiras quando você precisa. Um pedaço do Brasil pode ser encontrado na Bay Area.

Segundo o Consulado Geral do Brasil em San Francisco, há aproximadamente 5.000 brasileiros residindo na cidade (2008), e se considerar toda a Bay Area mais San Jose, esse número sobe para mais de 15.000. Nesses tempos de crise econômica, o “sonho americano” tem se tornado mais difícil de ser realizado por imigrantes brasileiros. Porém eles continuam chegando e aqueles com espírito empreendedor acabarão encontrando o caminho para o sucesso. Se isso não acontecer, pelo menos alguma experiência e dinheiro serão acumulados para retornar à terra Brasil.

Projetos bem sucedidos e permanentes têm se tornado possíveis para alguns imigrantes brasileiros que estabeleceram-se na Bay Area; para alguns, a casa é San Francisco. Esse é o caso de vários brasileiros que chegaram aqui há 20 anos, casaram, encontraram emprego e geraram alguns outros e estabeleceram famílias.

Diversos exemplos de sucesso e empreendimento comercial podem ser encontrados: como os donos dos restaurantes brasileiros Canto do Brasil, Manga Rosa, Bossa Nova, Café do Brasil, Espetus, e até pizzarias feitas no “estilo brasileiro” como Cybeles em Daly City e Mozzarella di Buffula em San Francisco. Desde o ano passado, com o advento da cidade “Brazuca”, atração é parar no Sunstream Café na Geary Street. É a “lanchonete” que todos nós conhecemos: um lugar pequeno onde serve-se café fresco, os aperitivos brasileiros (coxinhas, risoles e empadas) e bolos. Fica lotada às 16h da tarde todos os dias e tornou-se ponto de parada para intervalos da tarde no trabalho como em uma das esquinas em Ipanema no Rio no Rio de Janeiro.

Além de comer e ter momentos de prazer num dos restaurantes ao redor da cidade, podemos encontrar produtos brasileiros e lembranças nos muitos mercadinhos e lojas como as “Touch of Brasil” na Geary St., Mercado do Brazil na Valencia St., Brasil Express em Richmond (do outro lado da baia), Brazil Marin em San Raphael (mais ao Norte), Paraíso Imports e Brazilian Depot em Daly City, entre outros. Geralmente nesses locais, você pode sentar e falar sobre a vida, enviar dinheiro pra casa e sentir-se confortável para comentar algumas coisas sobre o Brasil ou sobre os Brasileiros. Uma vez estando lá você pode experimentar algumas roupas, comprar aquele biscoito que você geralmente encontrava no Brasil, ou aquele CD que você ouviu falar, enquanto atualiza-se com as últimas notícias através das inúmeras publicações gratuitas.

O tesouro do Brasil – a música, em qualquer gênero – é também presença marcante em San Francisco. Da Bossa Nova ao Heavy Metal, do Rock’n Roll ao Samba, a influência brasileira pode ser encontrada. Um exemplo é a banda Bat Makumba, que recebeu diversos prêmios musicais. Eles levam o ritmo tradicional brasileiro como o baião e o samba-reggae e criam um novo e inesperado estilo. Outros como o Brazuca Brown tocam MPB original e covers.

A última sensação musical em apresentação na sala Elbo é a band “Ninguém, de Ipanema”, que toca pop brasileiro e os ritmos favoritos do funk, apresentando covers de grande ritmos da MPB, como Lenine, Gil, Caetano, e Jorge Ben. Mas esses são apenas três em uma lista grande de bandas (cheque www.sfmpb.com). A música brasileira também é mencionada na música dos americanos, que tocam na Bay, incluindo Simon Butler, Sandy Cressman, Stephanie Ozer e outros. O Brasil pode ser encontrada na radio 88.1 FM, às 21h30 as quartas-feiras (Brasileirinho); 91.5 FM, às 6h – domingos (Brasil Musical); 91.5 FM, às 6h – domingos (Canta Brasil); 96.1 FM, 1h – domingos (Programa de Domingo); 103.7 FM aos domingos (Os sons do Brasil) e 90.3 FM, às 21h30 – domingos (Só Dá Brasil).

Os residentes de San Francisco não estão mais surpresos com as nossas apresentações de Carnaval ou Capoeira. Crianças de todas as idades e representantes dos mais diversos grupos étnicos estão entre aqueles que fazem aulas e vão a eventos de Capoeira. Capoeira Abadá (em SF), que divide seu prestígio com diversos outros grupos, como a Capoeira Omulu (em SF), United Capoeira (en Berkeley, sob a supervisão do legendário mestre Acordeon), Capoeira Mandinga (em Oakland), e Capoeira USA (en SF), entre muitos outros. Entre alguns desses grupos, a capoeira não é mais uma dança exótica apresentada nas ruas como entretenimento, mas sim como um projeto social onde a cultura é elemento educacional. O jiu-jitsu brasileiro é outro advento da nossa “cultura corporal” espalhado na Bay Area pelos muitos instrutores, como os que carregan “Gracie” em seus sobrenomes.

Projetos educacionais para basileiros, conhecidos como a cultura dos “verdes e amarelos”, são uma das mais importantes iniciativas em San Francisco. O Consulado Brasileiro apresenta o projeto Contadores de Histórias, criado por crianças brasileiras. A intenção é dar oportunidade para essas crianças estar em contato com a Língua Portuguesa, literatura, música e folclore do Brasil. Livros infantis brasileiros são lidos e fornecidos para entretenimento. Eles se encontram uma vez por mês por 2 horas e se divertem.

As igrejas evangélicas estão por toda parte na Bay Area e fazem um importante trabalho espiritual e social, assistindo e dando suporte à comunidade e especialmente aos recém chegados. A missa católica em português (o Catolicismo é a religião com mais adeptos no Brasil) pode ser encontrada em Concord todos os sábados, às 19h30 na igreja São Franscisco de Assis e também em San Francisco todos os domingos, às 20h na igreja de São Thomas e em San Rafael todos os domingos, às 17h na Missão Arcanjo São Rafael.

O misticismo e espiritualidade representados pela cultura afrobrasileira é o aspecto mais forte dos templos brasileiros de Candomblé e Umbanda. Na baía de San Francisco, é representado por uma americana, Andréa Morgana, fundadora do Hayehwatha Instituto. Morgana nasceu em Michigan e mudou em 1949 para a baia de São Franscisco. Há 40 anos ela devota sua vida ao desenvolvimento espiritual, a experiência e o entendimento de Deus, o criador do universo. Durante 20 anos, Andréa trabalhou como professora de meditação transcendental em período integral, e nos últimos onze anos iniciou-se na tradição dos Orixás. As sessões são feitas no Distrito de Marin todos os domingos.

Para quem se sente distante de todos esses lugares onde o alívio espiritual pode ser encontrado (geralmente em cada esquina no Brasil), há também muitos artefatos utilizados pelos brasileiros disponíveis nas lojas americanas. Por exemplo, cristais como o ametista, cristais claros, quartzo e outros podem ser facilmente encontrados na Crystal Way, uma loja na 2335 Market Street no centro de SF. É uma loja americana que prove um exército espiritual onde aprende-se os segredos da alma. Leitoras de tarô e astrologia, cursos de iniciação espiritual e práticas mentais, livros e cursos estão disponíveis nesse local.

Escrevendo este artigo, aprendi mais sobre o Brasil e os brasileiros que já viviam aqui quando cheguei. Como principiante, é muito difícil reconhecer a riqueza do ambiente, recursos da cultura, educação e oportunidades religiosas aqui. Amar o Brasil é o que os brasileiros fazem de melhor. Mesmo que a vida social seja, na maioria das vezes difícil, na luta pela segurança e prosperidade, trabalho duro e salários miseráveis, desenvolvimento e corrupção, o Brasil ainda é a nação dos nossos corações. O que isso significa para os brasileiros? Somos uma mistura de coisas, entre as mais importantes, é a de que não há generalizações a serem feitas. Somos seres humanos que carregam muitas características que nos identificam – muitas notáveis, outras bem acentuadas.

Estereótipos como pessoas charmosas, garotas quentes, festas até o raiar do sol, irresponsabilidade educacional e/ou social não valem a pena ser levados a sério. Os brasileiros que têm educação e certo nível cultural – e tiveram a chance de viajar e viver no exterior sabem do que eu estou falando, da imagem errônea que alguns estrangeiros ainda tem de nós brasileiros. De certo modo, nós somos iguais a outros povos, com qualidades e defeitos, pessoas boas e honestas, assim como pessoas más e desonestas. Alguns chegam com flores nos cabelos, outros com livros e esperança. Alguns deixam seu coração em San Francisco, outros nunca deixam

Ser brasileiro em San Francisco é aprender como a vida pode ser mais fácil quando há respeito, dignidade, e a diversidade não é apenas tolerada, mas aceita. Aceitação é a maior lição que você aprenderá para amar e ser amado em retorno. (Nature Boy, Nat King Cole).

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.